Falta medicamento na farmácia de alto custo de Sorocaba

A falta de um remédio tem prejudicado a vida de duas crianças, de 4 e 5 anos, que precisam de doses diárias

A farmácia de alto custo de Sorocaba está há três meses sem fornecer o medicamento Levetiracetam, usado para o tratamento de crises convulsivas. A falta do remédio tem prejudicado a vida de duas crianças, de 4 e 5 anos, que precisam de doses diárias.

A aposentada Nelsa Aparecida Giusti espera desde outubro de 2021 o medicamento para a neta, de 4 anos. “Você chega na farmácia de alto custo, pega a senha e eles pedem para você sentar, esperar ser atendida, para então olhar para você e dizer que não tem o medicamento. Não é mais fácil ter uma relação dos medicamentos que estão em falta logo na checagem da portaria? Isso revolta a gente”, desabafou.

Mãe de um menino de 5 anos, a líder de atendimento cirúrgico Vanessa de Oliveira Pinheiro começou o tratamento para seu filho em janeiro de 2021 e contou que não é a primeira vez que o medicamento atrasa. “Já aconteceu antes. Eu sempre ligo para saber se a medicação chegou. Só que desta vez está demorando, desde outubro eu não consigo pegar”, disse.

A resposta dos funcionários da farmácia de alto custo para as mães é que não há previsão de entrega e que não sabem o motivo da falta. “Eles liberam quatro frascos do medicamento, que é para o mês. Já tive que comprar antes e agora comprei novamente. Gastei R$ 500,00 no remédio. Ainda que eu tenho condição para comprar, mas fico pensando em quem não tem, como é que faz?”, questionou Vanessa.

O que diz o Estado

Em nota, Secretaria Estadual da Saúde informa que o medicamento Levetiracetam 100mg é de responsabilidade de aquisição e distribuição pelo Ministério da Saúde e que os familiares serão comunicados assim que o órgão federal realizar as entregas e as farmácias forem abastecidas.

Segundo o Estado, os medicamentos disponibilizados nas Farmácias de Medicamentos Especializados (FMEs) são adquiridos sob demanda conforme as solicitações regionais, alguns distribuídos pelo Ministério da Saúde e outros pela pasta estadual.

Questionada sobre quantos medicamentos estão em falta, a Secretaria Estadual de Saúde respondeu que não tem os nomes dos medicamentos e que esse levantamento é realizado por meio da própria população, que entra em contato com a secretaria.

Após a resposta, foi questionado novamente quantos e quais medicamentos estão em falta na farmácia de alto custo de Sorocaba e como é feito o processo de distribuição e controle do estoque. O Estado se limitou a responder que o Ministério da Saúde tem entregado o medicamento de forma irregular e com atraso desde o ano passado e continua, até o momento, com a irregularidade em 2022 e que a pasta estadual segue cobrando o órgão federal para abastecimento da rede. (Virgínia Kleinhappel Valio)

Fonte: Jornal Cruzeiro.

Deixe o seu comentário